Quem faz faculdade a distância consegue emprego? Veja!

4 minutos para ler

Um modelo de educação à distância, mais econômico e mais prático. Mas quem faz faculdade à distância consegue emprego? O tratamento do mercado de trabalho é igual para quem tem formação convencional e para quem tem diploma EAD?

Se você está nesse tipo de formação, e está com essa dúvida, veio ao lugar certo. Neste texto vamos explicar se existe diferença entre os dois tipos de educação, se na hora de colocar o diploma à prova para arrumar emprego tem distinção, e se as vantagens da educação à distância realmente existem.

Se você quer acabar de vez com essas dúvidas, continue lendo, aprenda mais e termine sua formação tranquilamente. 

Quem faz faculdade a distância consegue emprego?

A relação do mercado de trabalho com quem está se formando ou vai se formar via educação à distância (EAD) é a mesma com quem está em um curso presencial convencional.

O mercado prioriza pessoas que se formaram em universidades bem-conceituadas no mercado, em profissionais que tiraram boas notas ao longo de sua graduação/formação e em habilidades ou competências extras que aquele profissional possa agregar ao empregador.

Ou seja, não entra na avaliação o tipo de formação que o possível candidato à vaga teve, mas a sua competência e habilidades. Logo, a resposta para a pergunta acima é sim, o mercado acolhe e oferece emprego para quem se formou à distância.

Existe diferença entre os diplomas presencial e EAD?

O que garante a formação e a entrega de um diploma em uma carreira é o aprendizado de um determinado tipo de conteúdo, dentro de um tempo mínimo estipulado de aulas e a colocação do aluno à prova desse conteúdo – o que garante as notas e o chamado CR (Coeficiente de Rendimento).

Essas obrigatoriedades podem sem cumpridas tanto no curso presencial/convencional, como no curso à distância, sem qualquer perda de qualidade ou de aprendizado.

Logo, é possível que um aluno EAD tenha notas e CRs maiores do que um aluno de faculdade presencial, nas mesmas matérias, e na mesma quantidade de horas/aulas. A diferença está na dedicação de cada um, não no diploma. 

Então não há desvantagem no EAD?

Na verdade, não. A formação à distância foi regulamentada no Brasil na década de 1990 pelo Ministério da Educação e tinha como objetivo inicial levar educação para lugares distantes do país, onde não havia universidades, por exemplo.

Mas a dinâmica desse tipo de ensino se mostrou tão prática, que acabou sendo implementada também nos grandes centros.

Ela possibilita que o aluno faça seu próprio horário de estudar, possa fazê-lo em qualquer lugar, tenha um custo menor, desenvolva sua autonomia e comprometimento com os estudos. Afinal, só depende dele mesmo absorver o conteúdo, cumprir a carga horária e obter a melhor nota nas provas. 

Como vimos, quem faz faculdade à distância consegue emprego, sim. Não há diferenciação entre os diplomas EAD e de uma formação convencional para o mercado de trabalho.

Os empregadores estão mais preocupados se aquele profissional estudou em uma universidade conceituada, se obteve boas notas ao longo de sua formação e que habilidades extras pode acrescentar para aquela empresa.

Assim, se você está em uma formação EAD, estude, dedique-se e tenha o mercado de trabalho aos seus pés.

E se você está procurando uma universidade conceituada para iniciar seus estudos, que tal entrar em contato com a Unifacig.

Posts relacionados

Deixe um comentário